Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vem aí o Plano C2

por Artur de Oliveira, em 09.01.14

 

 

Um Governo tem sempre o PLANO A
Uma Oposição tem sempre o PLANO B
Por isso, o IDP - Instituto da Democracia Portuguesa - lançou, em finais de 2012, o livro PLANO C - O COMBATE DA CIDADANIA, da Bertrand.
Escrito por 23 associados, foi lançado em Lisboa, Viseu, Beja, V. Real, Coimbra, Caldas, Leiria, Figueira, Faro, Portimão, Lousada e Braga ao longo de 2013.
Agora, vem aí o PLANO C2 - CLUBES DE CIDADANIA. Dos Cidadãos para a Web. Da Web para o Livro. Do Livro para o País. Para dar voz e poder à cidadania.
A partir da colaboração na net de muitos de nós, cidadãos, um conjunto de estudos coordenados por associados do IDP irão dar voz a temas tão decisivos quanto  Geoestratégia de Portugal Sociedade, Património & Cultura Saúde, Família e Dignidade Social Cidadania Digital Desporto Comércio Externo (Exportação) A nova Administração Publica Justiça & Responsabilidade Social Práticas Financeiras Sustentáveis Europa - Novos Caminhos Ensino e Escolas com Amanhã Recursos Naturais & Energias  e Trabalho, Rendimento e as Novas Dinâmicas Sociais.

Cada um destes temas que está ser debatido nas plataformas digitais, dará origem a capítulos do livro PLANO C2 - Clubes de Cidadania, que contará também com novas colaborações de várias entidades. Cada tema tem um coordenador encarregado de orientar os debates e resumir em textos as conclusões.

Combatendo a nefasta tendência para a não inscrição, o IDP irá apresentar propostas para sairmos da crise em que Portugal e a Europa estão mergulhados, e exigir reformas no sistema político, no regime fiscal, na segurança social, na administração e ordenamento do território, e nas políticas europeias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44


Autores do Plano C: Gonçalo Ribeiro Telles

por Artur de Oliveira, em 08.05.13



Ribeiro Telles, arauto e patriarca do urbanismo sustentável, da ecologia e da monarquia democrática resume na sua metáfora da Morte das Aldeias a perda das estruturas mediadoras locais sem as quais não há verdadeiro desenvolvimento. Em entrevista à jornalista Ana Clara, vem demonstrar como o fecho de escolas, hospitais, maternidades e serviços no interior do país é um erro que já estamos a pagar caro.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40


Autores do Plano C: Rui Rangel

por Artur de Oliveira, em 08.05.13

 

 

 

 

A secção sobre o ESTADO do Plano C abre com um longo e profundo artigo de Rui Rangel sobre as várias crises de que é composta a crise da justiça. Há a morosidade, a corrupção, mas há também as deficiências do Ministério Público. Uma exigência prioritária, será a criação de uma lei para responsabilizar criminalmente os governantes e os políticos que, por gestão danosa ou negligência grosseira, levem o País à bancarrota.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:27

 

 

No dia  19 de Janeiro de 2013 estiveram presentes para apresentar o Plano C na Livraria Arquivo, três dos 21 autores como o Arquitecto Ribeiro Telles, Francisco Cunha Rêgo e Paulino Brilhante Santos.

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03


Plano C na Figueira da Foz dia 4 de Abril

por Artur de Oliveira, em 03.04.13
Amanha dia 4 de Abril as 21:30 na Biblioteca Munícipal da Figueira da Foz será apresentado o Plano C com a presença de autores como Gonçalo Ribeiro Telles, João Palmeiro e Alvaro Neves da Silva.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:54


Autores do Plano C: Luís Salgado de Matos

por Artur de Oliveira, em 27.03.13

 

 

 No Plano C, Luís Salgado de Matos diagnostica o papel da mais significativa das estruturas mediadoras da sociedade portuguesa: a Igreja Católica, que representa 80% da população adulta. E mesmo sem instruções da hierarquia, o difuso catolicismo político português parece arbitrar entre a direita e a esquerda, o que merecia ser comprovado por investigação. No catolicismo, tem sido relevante o efeito no clero do reforço da componente estritamente religiosa. Contudo, a diminuição das funções não religiosas restringe muito a base de recrutamento do clero diocesano e debilita a ação da paróquia.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:02


Gonçalo Ribeiro Telles combate pela cidadania

por Artur de Oliveira, em 04.03.13









O IDP apresentou no sábado, dia 2 de março, pelas 17:00 horas, na Biblioteca Municipal de Faro, o livro intitulado “Plano C – o combate da cidadania”. Esta apresentação contou, para além de Macário Correia, presidente da Câmara de Faro, com a presença de alguns dos coautores, nomeadamente, do arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles, Mendo Castro Henriques, presidente do IDP, João Palmeiro, presidente da Associação Portuguesa de Imprensa, de Antonieta Guerreiro, coordenadora do IDP-Algarve.

O Plano C, prefaciado por D. Duarte de Bragança, é o combate da cidadania. Pelo combate, dá corpo à vontade de sobrevivência dos portugueses numa Europa ainda sem rumo e numa Lusofonia ainda sem ritmo. É da e para a cidadania, porque ainda vamos a tempo de salvar Portugal das oligarquias que o ameaçam.

Para Mendo Henriques, “se tomarmos o Plano A como sendo o plano da Troika, ou do notório memorando do nosso (des)entendimento e o plano B aquele que corresponde aos atuais programas partidários – por sinal todos muito parecidos – sobra o Plano C, o plano dos cidadãos para os cidadãos, porquanto todos somos chamados a participar nesta odisseia de salvar Portugal. O Plano C é o de todos nós, da sociedade civil, das associações mediadoras entre o indivíduo e o Estado. Um plano feito de alternativas concretas, propostas por quem conhece o país, o seu território e população, a sua história e cultura, as suas potencialidades, sonhos e empreendimentos. É esse Plano C que o IDP agora se inicia.”

Gonçalo Ribeiro Telles é um dos 23 autores deste livro, provando que é possível encontrar soluções para o país a partir das experiências de várias gerações e faixas etárias da nossa sociedade, porquanto o IDP exprime a opinião daqueles a quem os partidos políticos não pediram opinião. O IDP toma partido, sem pedir licença aos partidos, e escreve o que os políticos deveriam fazer.

Segundo Antonieta Guerreiro, “esse é o bom combate da cidadania e a única forma de ajudarmos o país e a região é através de uma cidadania proactiva e responsável. O Algarve tem quadros e um know-how muito interessante em várias áreas, só temos de ser capazes de aproveitar o que melhor temos na nossa terra e nesse sentido este Plano C, sendo dos cidadãos para os cidadãos, é a primeira de várias compilações que estamos a organizar e a sistematizar. No que depender de mim, o Algarve e os algarvios não ficarão de fora deste processo”.

No final do evento os presentes degustaram produtos da doçaria regional, graciosamente, cedidos pela “Quinta dos Avós”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:53

Intervenção de Mendo Henriques, Presidente da Direção do Instituto da Democracia Portuguesa, coordenador e co-autor do Plano C onde entre outros assuntos aborda o rendimento da cidadania.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:35

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:46

Intervenção de Rui Rangel da Direçao do IDP, na apresentação do Plano C em Beja a 7 de Dezembro de 2012

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:21



calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D