Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vem aí o Plano C2

por Artur de Oliveira, em 09.01.14

 

 

Um Governo tem sempre o PLANO A
Uma Oposição tem sempre o PLANO B
Por isso, o IDP - Instituto da Democracia Portuguesa - lançou, em finais de 2012, o livro PLANO C - O COMBATE DA CIDADANIA, da Bertrand.
Escrito por 23 associados, foi lançado em Lisboa, Viseu, Beja, V. Real, Coimbra, Caldas, Leiria, Figueira, Faro, Portimão, Lousada e Braga ao longo de 2013.
Agora, vem aí o PLANO C2 - CLUBES DE CIDADANIA. Dos Cidadãos para a Web. Da Web para o Livro. Do Livro para o País. Para dar voz e poder à cidadania.
A partir da colaboração na net de muitos de nós, cidadãos, um conjunto de estudos coordenados por associados do IDP irão dar voz a temas tão decisivos quanto  Geoestratégia de Portugal Sociedade, Património & Cultura Saúde, Família e Dignidade Social Cidadania Digital Desporto Comércio Externo (Exportação) A nova Administração Publica Justiça & Responsabilidade Social Práticas Financeiras Sustentáveis Europa - Novos Caminhos Ensino e Escolas com Amanhã Recursos Naturais & Energias  e Trabalho, Rendimento e as Novas Dinâmicas Sociais.

Cada um destes temas que está ser debatido nas plataformas digitais, dará origem a capítulos do livro PLANO C2 - Clubes de Cidadania, que contará também com novas colaborações de várias entidades. Cada tema tem um coordenador encarregado de orientar os debates e resumir em textos as conclusões.

Combatendo a nefasta tendência para a não inscrição, o IDP irá apresentar propostas para sairmos da crise em que Portugal e a Europa estão mergulhados, e exigir reformas no sistema político, no regime fiscal, na segurança social, na administração e ordenamento do território, e nas políticas europeias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44


Autores do Plano C: Gonçalo Ribeiro Telles

por Artur de Oliveira, em 08.05.13



Ribeiro Telles, arauto e patriarca do urbanismo sustentável, da ecologia e da monarquia democrática resume na sua metáfora da Morte das Aldeias a perda das estruturas mediadoras locais sem as quais não há verdadeiro desenvolvimento. Em entrevista à jornalista Ana Clara, vem demonstrar como o fecho de escolas, hospitais, maternidades e serviços no interior do país é um erro que já estamos a pagar caro.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40


Autores do Plano C: Rui Rangel

por Artur de Oliveira, em 08.05.13

 

 

 

 

A secção sobre o ESTADO do Plano C abre com um longo e profundo artigo de Rui Rangel sobre as várias crises de que é composta a crise da justiça. Há a morosidade, a corrupção, mas há também as deficiências do Ministério Público. Uma exigência prioritária, será a criação de uma lei para responsabilizar criminalmente os governantes e os políticos que, por gestão danosa ou negligência grosseira, levem o País à bancarrota.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:27

 

 

No dia  19 de Janeiro de 2013 estiveram presentes para apresentar o Plano C na Livraria Arquivo, três dos 21 autores como o Arquitecto Ribeiro Telles, Francisco Cunha Rêgo e Paulino Brilhante Santos.

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03


Plano C na Figueira da Foz dia 4 de Abril

por Artur de Oliveira, em 03.04.13
Amanha dia 4 de Abril as 21:30 na Biblioteca Munícipal da Figueira da Foz será apresentado o Plano C com a presença de autores como Gonçalo Ribeiro Telles, João Palmeiro e Alvaro Neves da Silva.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:54


Autores do Plano C: Luís Salgado de Matos

por Artur de Oliveira, em 27.03.13

 

 

 No Plano C, Luís Salgado de Matos diagnostica o papel da mais significativa das estruturas mediadoras da sociedade portuguesa: a Igreja Católica, que representa 80% da população adulta. E mesmo sem instruções da hierarquia, o difuso catolicismo político português parece arbitrar entre a direita e a esquerda, o que merecia ser comprovado por investigação. No catolicismo, tem sido relevante o efeito no clero do reforço da componente estritamente religiosa. Contudo, a diminuição das funções não religiosas restringe muito a base de recrutamento do clero diocesano e debilita a ação da paróquia.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:02


Autores do Plano C: Carlos Reis Marques

por Artur de Oliveira, em 26.03.13

 

 

 

Para Carlos Reis Marques é urgente haver plataformas informativas que proporcionem o acesso aos conteúdos dos atos governativos. Essas plataformas devem incluir Índices de Boa Governação (IBG), com indicadores para aferir o grau de execução das medidas dos programas eleitorais, nomeadamente de âmbito autárquico.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49


Autores do Plano C: Jorge Pereira de Almeida

por Artur de Oliveira, em 15.03.13

 

 

Uma nova lei do Mecenato para as empresas serem estruturas mediadoras da cultura e uma nova fronteira entre mecenato cultural e marketing comercial, é a proposta de Jorge Pereira de Almeida. Além da valorização do património e da memória coletiva, o estado tem de garantir que os rasgos culturais criativos não sejam absorvidos pelo marketing empresarial. Assim se devolverá à sociedade civil a liberdade de escolher.

 

Para saber mais, leia o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:05


Autores do Plano C: João Gomes de Almeida

por Artur de Oliveira, em 12.03.13





João Gomes de Almeida inicia com grande vivacidade a secção sobre SOCIEDADE. Plano C significa maior investimento na cultura, e renovação das elites através do conhecimento. Pede-se investimento na cultura até 2% do Orçamento de Estado.

 

Para saber mais basta adquirir o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06


Autores do Plano C: Paulino Brilhante Santos

por Artur de Oliveira, em 08.03.13

 

 

No início deste livro, o Plano A da III República é desmistificado por Paulino Brilhante Santos. A III República está sujeita a conflitos de interesse e impasses, devido a velhos gastos despudorados de um Estado que não sabe o que quer e à adoção das novas medidas cegas de austeridade. As tensões sociais que vivemos tiveram a 15 de setembro o seu momento de inflexão. Chegou o momento de dizer basta ás más políticas, reflexo das orientações neo-conservadoras e neo-liberais que, em Portugal, como no resto do mundo ocidental, realizaram uma transferência de poder, sem precedentes, da esfera económica para a esfera financeira.

 

Para sair do pântano fiscal, Paulino Brilhante Santos expõe as bases para um sistema fiscal justo e equitativo o que exige uma intervenção de fundo na simplificação, sobretudo do IRS e do IRC. Os atuais Códigos só carecem de simplificação, ao passo que a intervenção mais urgente se situa ao nível da reengenharia de processos da Administração Fiscal e na regenaração do Centro de Estudos Fiscais (CEF) uma instituição da DGCI de elevadíssimo prestígio.

 

O Plano C continua com um conjunto de ensaios sobre a transição democrática. Passamos em revista as estruturas mediadoras no âmbito da Sociedade, das Regiões, do Desenvolvimento e abordamos algumas das reformas indispensáveis no Estado e na posição de Portugal na Europa e no mundo.

 

Para saber mais basta adquirir o Plano C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59



calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D